Um amor e uma oca.

Minha visita na aldeia
Minha visita na aldeia Flor D'Água

Como em uma lenda, eu presenciei este momento mágico na aldeia Flor D’Água/Conde/Paraíba, ele um guerreiro que usa como instrumento o violão e canta para sua amada dentro da oca.

O canto que a enfeitiçou
O canto que a enfeitiçou

Descanso na rede
Descanso na rede

Ela sorridente se rende, deitada na rede, ao canto que a enfeitiçou.

Entrando na mata
Entrando na mata

Eles caminham na trilha para dentro da mata, vão banhar-se nas águas de uma nascente, que corre abrindo caminho na ribanceira até um pequeno lago. Ela sente prazer na água cobrindo seu corpo e agradece a mãe natureza as matas e as águas, pela vida livre que encontrou na aldeia junto de seu amado.

O banho no lago
O banho no lago

“Índia seus cabelos nos ombros caídos
Negros como a noite que não tem luar
Seus lábios de rosa para mim sorrindo
E a doce meiguice desse seu olhar.

O banho
O banho

Índia da pele morena
Sua boca pequena
Eu quero beijar.

A felicidade
A felicidade

Índia, sangue Macuxi
Tem o cheiro da flor
Vem que eu quero lhe dar
Todo o meu grande amor…”

O beijo com testemunha
O beijo com testemunha

8 thoughts on “Um amor e uma oca.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *