A consideração pelos outros é algo valioso

UM APELO

Uma paisagem de simplicidade e paz
Uma paisagem de simplicidade e paz

..É uma questão simples, de bom senso. Não há como negar que a consideração pelos outros é algo valioso. Não há como negar que a nossa felicidade está inextricavelmente entrelaçada à felicidade dos outros. Não há como negar que, se a sociedade sofre, nós também sofremos. Nem há como negar que quanto mais animosidade há em nossos corações, mais infelizes nos tornamos. Por isso, podemos rejeitar tudo o mais: religião, ideologia, toda a sabedoria recebida. Mas não podemos escapar à necessidade de amor e compaixão.

Nesta época que antecede o natal uma cena familiar
Nesta época que antecede o natal uma cena bem familiar

Esta, então, é a minha religião verdadeira, minha fé simples. Neste sentido, não é preciso existir templo ou igreja, mesquita ou sinagoga, não há necessidade de filosofia, doutrina ou dogma complicados. Nosso próprio coração e nossa própria mente são o templo. A doutrina é a compaixão.

Um templo de fé e oração
Um templo de fé e oração

Amor pelos outros e respeito por seus direitos e sua dignidade, sejam eles quem forem ou o que forem: é só o que afinal precisamos ter. Se praticarmos isso em nossas vidas diárias, não importa se somos instruídos ou ignorantes, se acreditamos em Buda ou em Deus, se seguimos outra religião ou não seguimos nenhuma. Desde que tenhamos compaixão pelos outros e sejamos capazes de nos conter, motivados pela noção de responsabilidade, não há dúvida de que seremos felizes….

Respeito pelo trabalho e pela informação da vivência naturista
Respeito pelo trabalho e pela informação da vivência naturista

DALAI LAMA

Lv. Uma Ética para o Novo Milênio

Um amor e uma oca.

Minha visita na aldeia
Minha visita na aldeia Flor D'Água

Como em uma lenda, eu presenciei este momento mágico na aldeia Flor D’Água/Conde/Paraíba, ele um guerreiro que usa como instrumento o violão e canta para sua amada dentro da oca.

O canto que a enfeitiçou
O canto que a enfeitiçou

Descanso na rede
Descanso na rede

Ela sorridente se rende, deitada na rede, ao canto que a enfeitiçou.

Entrando na mata
Entrando na mata

Eles caminham na trilha para dentro da mata, vão banhar-se nas águas de uma nascente, que corre abrindo caminho na ribanceira até um pequeno lago. Ela sente prazer na água cobrindo seu corpo e agradece a mãe natureza as matas e as águas, pela vida livre que encontrou na aldeia junto de seu amado.

O banho no lago
O banho no lago

“Índia seus cabelos nos ombros caídos
Negros como a noite que não tem luar
Seus lábios de rosa para mim sorrindo
E a doce meiguice desse seu olhar.

O banho
O banho

Índia da pele morena
Sua boca pequena
Eu quero beijar.

A felicidade
A felicidade

Índia, sangue Macuxi
Tem o cheiro da flor
Vem que eu quero lhe dar
Todo o meu grande amor…”

O beijo com testemunha
O beijo com testemunha