Eu moro em um bosque

Esta é a vista da janela da sala
Esta é a vista da janela da sala

Da semana passada até o inicio desta choveu muito e fez bastante frio a ponto de nevar na serra gaúcha.

Vista do bosque da janela do quarto
Vista do bosque da janela do quarto

Dentro de casa, todo este tempo eu estive exilada do bosque, onde eu costumo frequentemente caminhar na trilha.

O por do sol aqui no morro
O por do sol no morro

Ficava olhando pela janela a chuva que caia intermitente dia e noite sem dar uma trégua.

Lembrei-me de uma frase que ouvi de Jean-Yves Leloup, filósofo e terapeuta Francês, em um seminário da UNIPAZ em Brasília.

Filósofo, escritor, terapeuta Jean_Yves Leloup
Filósofo, escritor, terapeuta Jean_Yves Leloup

” A chuva é o casamento do céu com a terra”.

Caminhada na trilha...
Caminhada na trilha...

Nesta terça-feira quando a chuva estiou, o céu encoberto pelas nuvens, nenhum sinal de sol, calcei os tênis e fui caminhar na trilha.

O bosque iluminado com o sol
O bosque iluminado com o sol

Tanto tempo invernando dentro de casa eu necessitava caminhar no bosque.

Com meu cajado explorando outros caminhos
Com meu cajado explorando outros caminhos

Fui testemunhar o que esta semana inteira de “casamento do céu com a terra”, teria causado de efeito na trilha.

O véu da cachoeira
O véu da cachoeira

Fiquei magnetizada pelo brilho intenso do verde das folhas ainda molhadas, o cheiro da terra, o barulho intenso da queda das águas na cachoeira, formando um longo véu.

Uma imagem magnetizante..
Uma imagem magnetizante..

Saí da trilha para olhar de perto o bosque, as suas transformações.

Atravessando riachinhos
Atravessando riachinhos

É um bosque que só se revela para quem sai da trilha.

Árvores imensas no meio da mata
Árvores imensas no meio da mata

Pela primeira vez em anos eu fui sozinha, descendo na mata, pisando em pedras, saltando os riachinhos, com um cajado improvisado, fui sendo levada pela curiosidade cada vez mais para dentro do bosque.

Dois troncos de árvores engolindo um outro...
Dois troncos de árvores engolindo um outro...
Formas femininas...
Transformações...

Dentro do bambuzal achei sinais claros de um processo de fitofagia, em que duas árvores devoraram uma terceira e se deformaram em seus troncos, originando formas masculinas e femininas”.

Estranhas formas no meio do bambuzal
Estranhas formas no meio do bambuzal

Meus olhos percorreram os troncos das árvores que cresceram tanto, que dali onde eu estava pareciam que tocavam o céu com a ponta de seus galhos.

O rei sol ilumina a mata...
O rei sol ilumina a mata...

Hoje, com o sol brilhando e o céu azul, voltei para caminhar na trilha e explorar mais um pouco o bosque.

As copas das árvores tocam ao céu...
As copas das árvores tocam ao céu...

As copas das árvores explodem em brotos, tudo esta nascendo depois das chuvas.

O véu diminuiu o volume e aumentou o brilho...
O véu diminuiu o volume e aumentou o brilho...
A cachoeira do bosque...
A cachoeira do bosque...

O véu da cachoeira diminuiu de volume e aumentou o brilho com os raios de sol.

Em comunhão com a natureza...
Em comunhão com a natureza...

Fiquei em silêncio por mais de uma hora sentada nas pedras, junto da cachoeira, ouvindo o barulho da queda d’água, o canto dos pássaros.

O desafio é a preservação do meio ambiente...
O desafio é a preservação do meio ambiente...

O pouco de bosque que sobrou, com o crescimento das cidades subindo os morros, deixando pouco espaço para as nascentes seguirem seu fluxo, é um privilégio.

Fico feliz de poder morar junto a um bosque
Fico feliz de poder morar junto a um bosque

Fico grata por poder testemunhar a natureza em harmonia, trazendo paz ao meu espírito, que comunga com a preservação e se revela um sonhador.

Um lugar bonito e tranquilo para a gente viver....
Um lugar bonito e tranquilo para a gente viver....

Eu sonho que um dia todas as pessoas vão se harmonizarem com a natureza e vão encontrar seu verdadeiro lugar no mundo.

imagesCAR78ZTE

Colina do Sol por um dia…

O sol nasce na Colina...
O sol nasce na Colina...

Este é o último dia do mês de junho. Acordo cedo e dou uma espiada por entre a cortina da janela do quarto da pousada, no Clube Naturista Colina do Sol..

O sol ilumina com os primeiros raios a quadra de voleibol...
O sol ilumina com os primeiros raios a quadra de voleibol...

Vejo os primeiros raios de sol iluminando o dia lá fora. Está tão agradável à cama, naquele dia de inverno, fico um pouco mais e, quando puxo a cortina novamente, o que vejo lá fora é uma densa neblina.

Desce a neblina na quadra de voleibol...
Desce a neblina na quadra de voleibol...

Começa um dia totalmente diferente.

Eu e Marcelo enfrentando a neblina para tomar o café da manhã...
Eu e Marcelo enfrentando a neblina para tomar o café da manhã...

Saimos da pousada caminhando por entre neblina, cenário perfeito para um filme de suspense.

Verônica e eu no calor do fagão de lenha...
Verônica e eu servindo o café de chaleira...
A mesa do café da manhã...
A mesa do café da manhã...
Na cozinha Etacir e Marcelo ao redor do fogão a lenha colocam a conversa em dia
Na cozinha Etacir e Marcelo ao redor do fogão a lenha colocam a conversa em dia

Às nove horas, conforme horário combinado, fomos tomar o café da manhã com os nossos amigos, na cabana deles, no quentinho do fogão a lenha, uma mesa repleta de coisas boas e muito conversa para colocar em dia.

O céu dividido entre a neblina e o sol...
O céu dividido entre a neblina e o sol...

Ao final do café, o dia esta dividido no céu, metade é neblina a outra metade é o sol.

O sol venceu...
O sol venceu...

Na disputa, próximo ao meio dia, vence o sol, completamente diferente de como iniciou, o dia esta ensolarado e quente.

No passeio encontrei um vó Raul feliz com o neto na pilcha de gaúcho...
No passeio encontrei o vó Raul com seu neto vestido de gaúcho
Apreciando a vista e tomando banho de sol...
Apreciando a vista e tomando banho de sol no deck da sede do clube...

Fui passear pela vila, aproveitando o veranico para tomar banho de sol.

Com o dia ensolarado pude passear a vontade na Colina...
Com o dia ensolarado pude passear a vontade pela Colina...

À beira do lago nos encontramos para uma despedida emocionante.

João Neri tocou divinamente sua flauta na despedida da sócia Cris Hoy...
João Neri tocou divinamente sua flauta na despedida da sócia Cris Hoy...

Eu e mais uma grande parte dos sócios estávamos ali presentes para uma cerimônia de adeus: uma parte das cinzas de uma amiga falecida, uma das primeiras sócias do clube, seria depositada em um canteiro aos pés de um girassol.

Pe. Otávio, Zenir e outros presentes jogaram as cinzas no lago...
Pe. Otávio, Zenir e outros presentes jogaram as cinzas no lago...

Ao som de flauta, como fundo musical, a música comovente se espalhou pelos quatro cantos da Colina enquanto, outra parte foi colocada no lago.

Uma tarde quase de "verão"
Uma tarde quase de "verão"

O sol continuou a brilhar firme e já no inicio da tarde enquanto o tradicional churrasco estava sendo preparado na churrasqueira nos fundos…

Reunião dos jovens colinenses com a diretoria do Clube Naturista Colina dos Sol
Reunião dos jovens colinenses com a diretoria do Clube Naturista Colina dos Sol

Na parte da frente, no alpendre da cabana, acontecia uma reunião de jovens colinenses com a diretoria do clube.

Duas gerações pai e filho naturista buscando um futuro...
Duas gerações: pai e filho engajados nas questões do clube naturista...

Eles mostraram um projeto, executado por eles, de uma área de lazer para os jovens, dentro do clube.

Jovens naturista pelas ruas da Colina...
Jovens naturista pelas ruas da Colina...

Muitos deles nasceram e se criaram em área naturista. A ideia é confraternizarem entre eles, baseados na experiência inédita que ali vivenciaram.

Esta turma mostrou a que veio...
Esta turma mostrou serviço...

Então, nada mais natural, que sejam eles que continuem contando esta historia para outros jovens. Como diz a letra da musica:

Avesso do Avesso.

Foi preciso ir além das palavras
pra ver o que sempre senti.
O que procurei, soube, vivi,
mas de que tantas vezes também fugi.

Como grandes verdades refletem hoje feixes de luz.
São espelhos tudo o que encaro.
Algo puro desperta e me conduz com olhos sem passado.

Não importa mais o que ficou pra trás, pois somos eternos.
Não em outros mundos, promessas ou reinos.

É AQUI MESMO!
Esquece o tempo de dor e arrependimento.
Vem comigo pro avesso do avesso.

Reconheço o avesso do avesso.
Todo fim é só um recomeço.

Particelli

E o dia encerrou com este belo por do sol...
E, o dia encerrou com este belo por do sol...

O que é que o nordeste tem?

Jangada praia do Morro do Careca/RN
Jangada praia do Morro do Careca/RN
Surf nas ondas de Tambaba/Conde/Paraíba
Surf nas ondas de Tambaba/Conde/Paraíba
A lua cheia nascendo na praia Tabatinga/Conde/Paraíba
A lua cheia nascendo na praia Tabatinga/Conde/Paraíba

Sol o ano inteiro, uma floresta de coqueiros, gente amável e amiga, praias desertas, praias badaladas, falésias coloridas esculpidas pelos ventos, água de coco em abundância.

Praia da Pipa/Tibaú do Sul/RN
Praia da Pipa/Tibaú do Sul/RN
Praia do Morro do Careca/Natal/RN
Praia do Morro do Careca/Natal/RN

Coqueiros que emolduram em dão sombra em uma orla inteira, um mar verde esmeralda, para contrastar com um céu azul brilhante de doer nos olhos.

João Pessoa - Paraíba
Praia do Cabo Branco/João Pessoa/ Paraíba
Praia De Tambaba - Paraíba
Praia de Tambaba/Conde/ Paraíba

Uma praia naturista oficial, mas dezenas de praias desertas para tirar a roupa, e caminhar sozinho pela areia, protegido pelos paredões das falésias, dos ventos e dos olhares curiosos.

Praia da Pipa/Tibaú do Sul/RN
Praia da Pipa/Tibaú do Sul/RN
Top-less na praia da Pipa/Tibaú do Sul/RN
Top-less na praia da Pipa/Tibaú do Sul/RN

Descobrindo lugares, apreciando as tonalidades de luz, que os transformam em templos a céu aberto e te fazem arrepiar.

Me senti dona do mundo neste momento!
Me senti dona do mundo neste momento!
Uma extensa área de praia deserta Arapuca
Uma extensa área de praia deserta Arapuca/Conde/Paraíba
O raio de sol na praia da Arapuca/Conde/Paraíba
O raio de sol na praia da Arapuca/Conde/Paraíba
Falésias praia deserta da Arapuca/Conde/Paraíba
Falésias praia deserta da Arapuca/Conde/Paraíba

Uma residência de artista para sentar na sombra e matar a sede tomando água de coco colhido na hora, ali mesmo, no pátio.

Melhor água de coco que já tomei
Melhor água de coco que já tomei

O boné que protege do sol e das muriçocas

Visita a Aldeia Flor D'Água
Visita a Aldeia Flor D'Água

No ano passado, por ocasião do Congresso Internacional de Naturismo na Paraíba, fui conhecer a Aldeia Flor D’Água, em Gurugi, à convite de um amigo. Fomos à tarde, o sol estava forte, era preciso me proteger com um chapéu. Meu amigo se prontificou a me emprestar um. Fiquei ali na praia, esperando, enquanto ele ia até a sua barraca para pegá-lo.

O trio no congresso da INF
O trio no congresso da INF

Muito bem. No caminho de volta, ele encontrou uma conhecida sua. Ela estava se lamentando porque tinha perdido seu chapéu, de folha de coqueiro, recém comprado. Ele então, penalizado, cedeu o chapéu que tinha ido buscar para ela. Chegou até mim e contou o ocorrido. A solução, por ele encontrada, era emprestar-me o boné que estava usando, o bom samaritano. Lógico que eu não aceitei.

Brigamos, bati pé e ele ali firme. Disse a ele que não iria ao passeio, se ele insistisse que eu fosse com o boné. Não houve jeito porque ele respondeu: que eu podia não ir ao passeio, mas o boné ficaria comigo, porque ele não ia pegá-lo de volta.

Na oca de Julíndio com o boné do Evânio
Na oca de Julíndio com o boné do Evânio

Escutem só: eu ia no carro dele, com o boné dele, num passeio imperdível até a aldeia. Um lugar de mata, piscinas naturais, águas que vertiam quente de um lado e fria do outro, desaguando em um pequeno riacho, ao lado de uma das trilhas. Eu não ia ficar criando um caso e perder a oportunidade de conhecer um lugar assim, maravilhoso. Só o aconselhei então a caprichar no protetor solar e fomos à aventura!

Grupo de visitantes da aldeia
Grupo de visitantes da aldeia

Um pequeno grupo de pessoas já se encontrava no local quando chegamos. Tivemos uma breve explanação, dos objetivos da criação da aldeia, pelo representante do lugar: preservar a mata, as fontes de água e praticar a simplicidade voluntária.

Voltando da trilha chegamos na clareira da mata
Voltando da trilha chegamos na clareira da mata

Fomos explorar as trilhas, uma delas de nome sugestivo – Por que Desci – e foi mesmo. “Porque para baixo todo o santo ajuda, para cima é que a coisa muda”. Foi difícil subir, principalmente, para os que como eu, estavam um pouco fora de forma.

Na volta da trilha, fomos ao banho na lagoa. Colocamos nossas roupas e pertences num canto e fomos no banhar. Caímos todos dentro da água, sob o olhar atento da cachorrinha, que ficou sentada, na beira do barranco. Meu amigo foi atacado pelas muriçocas mesmo dentro da água, só com o pescoço para fora. Sem o boné, lógico, o alvo preferido foi à cabeça dele. “Lugar onde tem sapo, muriçocas não dão rasante”.

Banho no lago vigiados de perto pela cachorrinha
Banho no lago vigiados de perto pela cachorrinha

Em uma clareira no meio da mata pintamos o corpo. Foi nosso batismo na tribo da aldeia.

Batismo na aldeia
Batismo na aldeia

Saímos de lá, já era noite. Era hora de nos despedir, porque no outro dia bem cedo, eu iria viajar. Esqueci de entregar o boné, de marca, que meu amigo trouxe da Europa. Carreguei-o na minha bagagem, de volta para casa, em Porto Alegre.

Piscina natural
Piscina natural

Combinamos de nos encontrar em Tambaba este ano. Lembrei-me de colocar o boné na mala para devolver, só que ele teve um imprevisto e não foi ao encontro.

Tornei a carregar o boné na viagem até Natal, onde ele reside. Encontramo-nos em um maravilhoso jantar, oferecido em sua casa, com direito a banho naturista na piscina.( Já comentei em um post anterior).

Finalmente, um ano depois, pude devolver ao dono o boné que me protegeu do sol e das muriçocas.